sábado, 16 de agosto de 2008

holandesa voadora

Eis aqui um belo exemplo de como uma mulher* pode compelir um homem a uma espécie de juízo, uma tranquila beatitude ou … como hei-de dizer … uma espécie de serenidade assassina.

Nunca mais me hão-de ver aqui a escrever “gaja” para designar uma mulher

Sem comentários: