quarta-feira, 17 de setembro de 2008

edital



Em razão de um inqualificável acto de censura vejo-me constrangido a tornar público que a cidade de Barcelona tem a desgraça de ser habitada por um grande rabeta chamado Alexandre Madureira.

7 comentários:

Anónimo disse...

Em razao de um inqualificável acto de injúria pública, vejo-me constrangido a pô-lo ao corrente de que na cidade de Barcelona, e nalgumas do Oeste português, existem rabetas maiores que o Alexandre Madureira.

dutilleul disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
dutilleul disse...

Cara Senhora,
cumpre-me informá-la de que labora no lamentável equivoco de presumir que o Sr. Alexandre Madureira existe realmente. Não existe. É um personagem por mim inventado com o único propósito de ilustrar um porco fascista , amigo da pinga e com queda para a censura.
É de admitir a hipótese de que a senhora esteja a confundir o meu personagem com um famoso artista, também ele residente na Catalunha, também ele baptizado “Alexandre Madureira”, dado à bebida e à censura.
Não é esse.

Anónimo disse...

Alegra-me o facto de saber que Vossa Excelencia nao se dedica a politica, senao estavamos todos fod...

dutilleul disse...

Cara senhora

quer-me parecer que os seus progenitores deviam estar mais atentos ao género de merdas que a menina anda a ver na Internet.
Vá-se embora e não volte a pôr aqui os pés, ou lá o que a menina usa para comunicar por escrito.

Isto é lugar para gente fina. Apesar de uma escassa meia dúzia de semanas de vida, recebe visitas de pessoas requintadas das mais variadas latitudes; Holanda, Bélgica, México, EUA, Cabo Verde, Brasil, Índia, Argélia e até uma cabra que os Catalães - mais dia, menos dia – hão-de repatriar para a terra que teve a desdita de dar à luz tal criatura.
O que esta senhora aqui vem fazer é para mim um mistério. As outras senhoras, que abençoam os cinco continentes com a luz das suas vidas, vêem aqui porque isto é um sítio sobre coisas realmente importantes (e, quem sabe, talvez na expectativa de que eu, um dia destes, informe a humanidade do meu número de telefone.
Nunca se sabe queridas amigas, nunca se sabe.

Anónimo disse...

Um psicólogo nao lhe iria mal, para ajuda-lo a libertar-se dessa megalomania e alienaçao das quais parece padecer.
Nao queira viver nas nuvens antes de bater as botas, ou nao vao Eles obriga-lo a voltar cá para pagar as agruras que insiste em cultivar.
Digo-lhe mais: você escreve bem, e até antevejo um sentido de humor timido que vai combatendo a arrogancia, mas parece-me sobretudo que há muito que vem tentando fazer as pazes com o ser humano.
Continue, continue, que cá vou estar para ler, e quando a alma nao é pequena...
Beijos!

dutilleul disse...

Oh, querida amiga,
disse tudo muito bem, não passo de um desgraçado que para aqui anda sem nada de excitante para fazer com os meus dias.
Eu até estava para ir ali espreitar o red tube, mas dei com o meu retrato aí nas letrinhas que faz o favor de me escrever e decidi vir aqui dar-lhe razão.
Beijinhos, para si, sua peituda.