terça-feira, 7 de março de 2017

o fetiche do abílio

O assunto é tão irrelevante que nem sequer o mencionei nas várias “notas de leitura” que aqui fiz do livro, designadamente, às páginas que o autor dedica ao trampolineiro.
Soube hoje que não é essa a opinião de um tribunal que determinou o expurgo de um breve parágrafo em que – a propósito de uma jornalista que tinha uma relação íntima  com o primeiro-ministro de um governo ao qual profissionalmente não poupava encómios - se menciona o fetiche de um fotógrafo.
É na página 165:


Sem comentários: