quarta-feira, 4 de março de 2015

Algumas pessoas que me conhecem são gentis ao ponto de me considerarem razoavelmente inteligente. E quando me veem de sapatos ou botas com atacadores soltos levam a coisa por conta de extravagância. Na verdade não sei atá-los e ganhei coragem para a confissão porque vi um maduro a fazê-lo agora mesmo no TED.
Quando era miúdo chamava a minha irmã para o fazer e ela acudia-me com enorme alegria. Atava-me um sapato ao outro, dava nós cegos, etc., etc. Tinha um reportório inesgotável de patifarias que a deliciavam. Eu berrava pela “MÃEEEEEEEE!!!!!!” e a minha mãe despachava-me com a extinta pedagogia de um “desenmerda-te”. 
Na altura resolvia os dramas com uma faca de cozinha. 
Entretanto tornei-me uma pessoa muito sofisticada.

(2012)

Sem comentários: