quarta-feira, 4 de março de 2015

mercearia a metade do preço no pingo doce

Como há por aí malta que se consente dizer – repetir, na maior parte das vezes – coisas que me agastam, faço agora uso de idêntica liberdade para desabafar o que está na origem de alguns dos meus vómitos. Agora mesmo são as mais desvairadas exéquias que badamecos pretensamente bem pensantes – tudo malta daquela esquerda que ama os explorados e oprimidos, está bem de ver - vêm fazendo aos costumes e à “ética” do “povo” a propósito da disposição “deste” para aproveitar uma oportunidade de comprar mercearia a metade do preço corrente. Ele porque é um “atentado auto infligido ao amor-próprio” (sic), porque é o “grunho de outrora [que] renasce, reinventa[-se], mas agora sem rédeas ou auto-controle” (sic), … Em todo o lado, por todo o lado, é uma corrida aos adjetivos até à completa rutura do estoque de ferramentas de opróbrio.
O que é que se passa convosco, meus caralhos?
Iam comprar marisco e o povo tinha-o levado todo?
Ide-vos foder a todos.

(2012)

Sem comentários: