quarta-feira, 29 de outubro de 2008

talentos e destinos


Esse tal Korzeniowski de que nos falas e de que nunca ouvi falar deve ser polaco. Quando eu era mais jovem conheci uns rapazes de Katowice que à falta de saca-rolhas tinham talento para fazer saltar rolhas batendo garrafas de tinto com pancada seca em lancil do passeio. Korzeniowski era o apelido do mais talentoso desses rapazes nessa bela arte de abrir garrafas.
Acho que era isso.
Belos tempos, aqueles. Não é como agora em que apesar de ser bonito e mimoso, pareço ter nascido para ser capeado. Ao vivo e por meios electrónicos, não apenas por pombinhas que não chego a devassar carnalmente como até por outras que nem chego a conhecer pessoalmente. Para todas e de todas as formas possíveis, sou objecto de diversão. Não ser fisicamente assediado é o meu destino.
_________________________________
PS: Com o melro que agora me disse estar em aprestos para voar da Catalunha para a Nova Zelândia ajustarei contas mais tarde porque agora vou-me a lençóis. Frios como o caralho.

12 comentários:

indiavelha disse...

Capeado é comigo?
Se for, recordo que atirar a orelha cortada é uma homenagem a quem se estima.
Durma bem.

dutilleul disse...

Vá lá a sua casa, onde deixei recado a explicar tudo.

Durma bem, diz a menina. Até parece que estou a vê-la, de nariz empinado na voz de desdém que agora me faz ouvir.

__________________________
(a melra continua a desenhar capotes no toucinho deste vosso criado. Ou será que a orelha que ela diz ter cortado não era minha?)

indiavelha disse...

Não aprecio tourada, a orelha atirada talvez fosse a do Van Gogh e desdém é coisa feia de sentir. Será que foi poste impertinente? Se sim, as minhas humildes desculpas, agora por extenso, uma vez que não foram entendidas à primeira. Aceito ser apedrejada por bolas de algodão em rama.

dutilleul disse...

Então mas a minha querida amiga tem a supina elegância de não se ofender com nada do que eu escrevo e supõe-me ferido?
Parta sempre do princípio de que só aqui estou para a amar muito.
E só a não ponho toda nos meus lábios porque anda por aí um cuco à espreita de uma oportunidade para mangar do nosso amor.

(O Sr. Grilo também é rapazola para uma coisa dessas).

indiavelha disse...

Posiciono-me a la Betty Boop e finjo que não compreendo.

indiavelha disse...

Valha-me Santo Eucarário! Mas o Ilustre Enciclopedista anda "a coçar a micose", como dizem os cuícos daqui do lado????????

dutilleul disse...

A única coça que vou tendo é a que o trabalho me vem dando.
E o meu único bálsamo é o pôr-me aqui a imaginá-la, querida amiga.
Logo que recupere alguma da energia que me falece, ajustarei contas com as afrontas do maldito cuco.

indiavelha disse...

Eu falei em cuícos, os índios desta zona, mas se tem algum cuco a desancar, faça o favor!
Bom descanso.

Bloga-mos disse...

Presenteio o meu toutiço para pública auto-flagelação se isso me consternar com a presença asap do cuco-mor.

Bloga-mos disse...

Estamos doentes? Vou já aí, seja onde for com uma canjinha e um cesto daquelas coisas que são maiores que um pintelho mas menores que um boi ou lá o que caralho é. A família também sabe dar notícias, não sabe? Ou a palavra passe está no cofre?

indiavelha disse...

Acabo de fazer trufas de chocolate. Para onde envio?

Anónimo disse...

Não quero parecer insensível à vossa saudade. Agradeço canjas e trufas. Volto ao vosso convívio logo que tenha resolvidas as evocações em que o pão, por deus me deixou.
Estou a tentar.

dutilleul